“Amanhã é outro dia” de Mendo Henriques apresentado na Feira do Livro

PALAVRAS NO LANÇAMENTO DO LIVRO DE MENDO HENRIQUES “Amanhã é outro dia “, pelo General Rui Moura

Exma. Sra Dra. Inna Ohnivets – Embaixadora Extraordinária e Plenipotenciária da Ucrânia na República Portuguesa

Exmo Sr. D. Paulino Fernandes – Fundador e Director do Jornal de Oleiros e da empresa Páginas de Motivação, Editora de Jornais

Exmo. Sr. Professor Doutor Mendo Castro Henriques, ilustre autor da obra, meu caro amigo

Exmas Senhoras e Exmos Srs.

Muito boa tarde

É para mim uma honra e uma distinção ter sido convidado para fazer a apresentação do livro escrito pelo Mendo Henriques, com o título: Amanhã é outro dia! Crónicas da Invasão da Ucrânia (à distância), da Editora Páginas de Motivação.

Apesar do autor dispensar apresentações gostaria de salientar o facto do Professor Mendo Castro Henriques ser professor na Universidade Católica Portuguesa e membro do Conselho de Direção do Centro de Estudos de Filosofia (CEFi) da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa. Ser autor, co-autor e organizador de mais de doze monografias e mais de oitenta artigos nas áreas de filosofia, cidadania e história. E ser, igualmente, um profundo estudioso da história.

Por isso não será de estranhar que o livro que nos faz reunir seja uma obra notável, cujo tema como o nome indica é a Invasão da Ucrânia, visitada diariamente em crónicas escritas em cima do acontecimento.

É um registo destas crónicas diárias, partilhadas com o mundo, na internet, através da versão digital do Jornal de Oleiros, escritas pelo autor, entre o dia 23 e o dia 10 de junho de 2022.

São 63 crónicas, passando em revista 80 dias de conflito, começadas a escrever um mês após o início da invasão da Ucrânia pelas Forças Armadas da Federação Russa.

O texto das crónicas é antecedido de dois prefácios. Um do major-general do Exército Português, na situação de reforma, Rodolfo Begonha, meu camarada Ranger, um especialista em informações militares (que alguns teimosamente insistem em utilizar o anglicismo inteligência), e outro de Joaquim Franco, jornalista da TVI.

Ambos destacam a qualidade e o elevado nível da análise e dos textos que ajudam a pensar com profundidade todos os fatores envolvidos e a perceber a comunicação, de um lado e do outro do conflito, seja ela transparente e verdadeira, seja ela opaca e mentirosa. Joaquim Franco afirma mesmo que são “crónicas imperdíveis”.

Sem dúvida que são imperdíveis.

Ler e revisitar estas crónicas permite compreender, ou pelo menos perceber as nuances da história da invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada a 24 de fevereiro de 2022, que trouxe a destruição, a morte, o exílio e a miséria aos ucranianos, desestabilizou a Europa pós-Guerra Fria e está a ter consequências globais nos mercados financeiros, energéticos e alimentares.

O Mundo nunca voltará a ser o mesmo. Uma nova ordem internacional irá emergir deste conflito. Por certo mais multipolar, do que unipolar ou bipolar. Esta análise sobre os acontecimentos do presente, com ligações do passado e os possíveis impactos no futuro são abordados com uma linguagem acessível, mas profunda.

Mendo Castro Henriques, inicia a suas crónicas diárias um mês depois da guerra, com uma escrita simples, fluída e entusiasmante.

Um registo ao correr da pena que é um trabalho de análise e de síntese de excelência, uma crónica diária à distância, que revela um cuidado de cruzamento de fontes, numa guerra da informação cheia de propaganda, mentiras, inverdades e omissões.

Quem esteja à espera de ver contabilidade de ataques e defesas, sucessos de contra-ataques e efeitos dos mísseis e da artilharia, números de baixas e de explosões de navios, desengane-se. Alguns dos principais eventos são referidos, mas o essencial é o contexto. O contexto histórico, político, diplomático, económico e estratégico. Ou seja, o livro torna-se intemporal apesar de seguir uma cronologia apertada.

Dei por mim a ler e a reler, sempre com uma sensação de novidade. De uma leitura cativante, estas crónicas podem ser lidas por ordem cronológica, mas também podem ser lidas aleatoriamente, pois cada crónica vale por si e tem matéria de aprendizagem profunda.

O autor obriga-nos assim a refletir e dá dados essenciais para fundamentarmos a nossa opinião e daí tirarmos as nossas conclusões, ajudando a cada um encontrar as suas respostas às perguntas fundamentais:

Porque aconteceu esta guerra?

Como é que a Ucrânia, o Ocidente e o resto do Mundo reagiram? E porquê?

Quais são as consequências presentes e futuras desta Guerra?

Quando e como vai acabar a guerra e como ficarão as fronteiras estabelecidas e a soberania na região?

Como serão julgados os criminosos de guerra?

Como ficará estabelecida a Nova Ordem mundial?

E que garantias de segurança terá a Ucrânia, o Ocidente e o Mundo?

Que impacto económico e social irá ter no curto, médio e longo prazo?

Na Ucrânia, na Europa, no Mundo?

Ainda é muito cedo para se ter respostas definitivas. Muitos cenários se apresentam, mas faço notar que no Dia 31 de março (IX) Mendo escrevia:

A coragem do povo ucraniano é um exemplo histórico, mas só uma vitória decisiva traria o fim das ameaças.

Quanto mais vencer, mais capaz será de resistir a uma paz envenenada.  E vitória seria a base para um estado democrático do pós-guerra menos corrompido por oligarcas e infiltração russa e capaz para aderir à Europa. É demasiado cedo para falar do desenlace da guerra. Mas é tempo para pensar que o mundo vai continuar e esta Ucrânia conta mais do qualquer povo na causa da liberdade e da democracia, da Europa e da segurança mundial.

Entretanto, todos ficarão a perder, uns mais que outros. Mas uma coisa é certa, Putin conseguiu, em pouco tempo, fazer mais pela ligação, união e unificação da Ucrânia, da NATO e da Europa, do que 31 anos de anos de independência, 73 anos de Aliança ou 65 de União Europeia.

Entretanto as crónicas não pararam e antevejo e aguardo ansiosamente por um 2.º volume dentro de pouco tempo.

Amanhã é outro dia.

Rui Moura (General)

Nota da Direcção: Desejamos agradecer a presença informada e a intervenção do Ilustre General Rui Moura no lançamento público em Lisboa do Livro “Amanhã é outro dia”, destacando o momento como muito elevado e uma honra extraordinária para nós. Anotamos o desafio que deixa. Obrigado Meu General.

……………………………….

General Rui Moura, Embaixadora da Ucrânia, Mendo Henrique se Paulino Fernandes

Decorreu esta tarde no Auditório Poente da VASP a apresentação do Livro “Amanhã é outro dia ” (Crónicas da guerra da Ucrânia à distância ) com a presença do Autor, Professor Mendo Henriques, da Embaixadora da Ucrânia, Dra. Inna Ohnivets e do General Rui Moura que apresentou a obra.

Helena Gouveia entre outros

A sessão foi aberta pelo editor Paulino Fernandes, Administrador da Editora Páginas de Motivação que abriu a sessão lembrando o 15º aniversário do Jornal de Oleiros, a 1ª apresentação em Oleiros que decorreu no Auditório do Multiusos e agradeceu a presença de tantos Amigos, além evidentemente das personalidades que se associaram ao evento, destacando também a presença da Dra Helena Gouveia Administradora do Grupo BEL, da Ten-Cor Cláudia Margarida dos Santos em representação do CMDT Chefe. Agradeceu também a pessoas Amigas que vieram de Corgas e do Amigo Libânio (Proença-a-Nova), do Algarve, Luís Tomé, um Amigo com obra publicada a que brevemente faremos referência especial, Coronel Andrade, etc.

Mendo Henriques, Embaixadora e Paulino Fernandes

Assumiu a importância do Livro que enquadra a guerra e a história de uma forma didáctica como só Mendo Henriques poderia fazer.

General Rui Moura e Embaixadora a discursar

Mendo Henriques descreveu o trabalho árduo que efectuou com o editor (uma equipa fantástica como disse) – nós agradecemos com humildade – e explicou o que presidiu a todo este trabalho que pretende documentar com eficácia a estratégia. Teme que a guerra dure, mas todos apelaram ao fim de tão dramático acontecimento.

Várias livrarias comercializam o livro. Esta foto são livros oferecidos ao Stand da Ucrânia pelo Editor

O General Rui Moura, profundo conhecedor dos meios militares nacionais e internacionais abordou o desenlace previsível e destacou o profundo conhecimento do autor.

Amigos de Corgas (Proença) não faltaram

Terminou a sessão com a intervenção da Senhora Embaixadora que lamentou não ter sido possível a prevista deslocação a Oleiros, agradecendo ao autor e editor a obra que retrata fielmente o que se passa actualmente, agradecendo ainda ao Povo Português o apoio que tem dado à Ucrânia, acrescentando que a Ucrânia vencerá.

Foi uma sessão importante e muito acompanhada, restando-nos agradecer o apoio e garantir que o trabalho vai prosseguir.

Redacção

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009. Lutamos arduamente pela defesa do interior, o apoio às famílias e a inclusão social. Batemo-nos pela liberdade e independência face a qualquer poder. Somos senhores da nossa opinião.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Federação Russa, Forças Armadas, Oleiros, Política, Ucrânia com as tags , , , , , , . ligação permanente.

6 Responses to “Amanhã é outro dia” de Mendo Henriques apresentado na Feira do Livro

  1. Edite diz:

    Parabéns!! Fantástico!!
    Que orgulho!!!

  2. Catarina diz:

    Magnifico! Desejo o maior sucesso a tão Ilustres Personalidades!

  3. Edite Candeias diz:

    Estimado Amigo Paulino,
    É com muito Orgulho que tenho acompanhado o Jornal de Oleiros.
    Muitos Parabéns também para Si e Colaboradores.
    Escrever e Editar o Livro “Amanhã é outro Dia “…. que Coragem!!
    Votos de Sucesso!!

Os comentários estão fechados.