ALEMANHA QUEBRA TABU SOBRE ENTREGA DE ARMAS PARA ZONAS DE GUERRA

ALEMANHA QUEBRA TABU SOBRE ENTREGA DE ARMAS PARA ZONAS DE GUERRA

. Ninguém fala de paz – Vence a retórica do inimigo

O governo alemão decidiu fornecer tanques Gepard (armas pesadas) para a Ucrânia, numa reunião dos EUA com 40 Estados, na base da força aérea dos EUA em Ramstein, Alemanha. Em questões de guerra até a Alemanha é hóspede dos Estados Unidos em território alemão! Onde já chegamos!

O importante princípio ” não entregar armas em zonas de guerra” passou a ser violado até de maneira oficial. Pelos vistos, a Alemanha sob pressão dos USA entra de forma incisiva na guerra da Ucrânia; isto apesar de, segundo estatísticas, 49% da população ser contra….

A Alemanha e com ela a Europa, tornou-se seguidora da hegemonia anglo-saxónica!…

É verdade que para a EU e a OTAN Pequim é o “rival sistêmico” mas, a OTAN ao entrar directamente na guerra põe a China na ocasião  de se tornar na única potência medianeira de negociação no conflito e no sentido de se criar uma trégua de paz entre a Rússia e a OTAN. A ONU será, certamente, posta de lado, tal como o foi na guerra das sanções económicas à Rússia…

Por onde andam os meios de comunicação responsáveis que alertem para esta loucura? Não veem que deste modo motivam a Rússia a empregar armas atómicas? …

Com este passo da Alemanha/Europa, dá-se oportunidade à guerra mundial. Considerar-se a OTAN também como parceira da guerra na Ucrânia é agora uma questão de interpretação a favor da Rússia.

Lavrov avisou que a entrega de armas por países do Ocidente à Ucrânia significa que a OTAN está “em essência, envolvida em uma guerra contra a Rússia”, e que Moscovo via essas armas como alvos legítimos de ataques…

António da Cunha Duarte Justo

Texto completo em Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=7373

……………………………………………

TAMBÉM TU MARCELO?…

. Abuso na Celebração do 25 de Abril

Portugal já é na OTAN um dos países com a percentagem mais alta do PIB empregue nas despesas das forças armadas!

Marcelo Rebelo de Sousa, na comemoração dos 48 anos do 25 de abril, em vez de apelar para a paz social, para a liberdade, cada vez mais em perigo, revela-se, na sua principal preocupação, como propagandista da militarização.

O presidente quer que o povo português gaste mais nas forças armadas e consequentemente menos em orçamentos destinados a subir o nível de vida dos portugueses!

Oportunisticamente serve-se da onda militarista que domina a opinião pública europeia, para se alinhar ao lado de Zelensky numa política de militarização da sociedade!

Já vai sendo tempo dos nossos governos se preocuparem menos com o brilho dos seus representantes que passeiam as suas personalidades-papéis na companhia dos pares nos corredores das instituições internacionais e inverter caminho no sentido de começarem a empenhar-se sobretudo pelo bem-estar do seu povo!

A situação que atravessamos não é própria para um mero companheirismo de elites que manifestam já terem perdido o senso do equilíbrio e das proporções. O orgulho das elites já parece ser tanto que nem notam a figura que fazem como meros acólitos dos EUA ou de interesses internacionais sombrios.

O 25 de Abril deveria ser comemorado como a hora do povo e da liberdade e não como a oportunidade das casernas! Vivemos numa época em que o abuso da liberdade, do povo e dos contribuintes é já insuportável! As democracias encontram-se nos trilhos das autocracias. O povo é manipulado e para iludir a própria manipulação fala-se da reprovável manipulação que domina povos adversários!

“Também tu, Bruto?” é a pergunta que o imperador Júlio César fez ao seu amigo Marcus Junius Brutus, no momento em que este estava a esfaqueá-lo! Bruto é aqui o símbolo da traição e do oportunismo político independentemente da sua forma!

Porque precisa um país pequeno ter de se pôr em bicos de pés para se sentir bem ao pé dos grandes, que se deixam servir por ele? Não notam o ridículo que as potências notam por verem os eleitos de Portugal a tornarem-se seus serviçais à custa do povo português! O companheirismo das elites a nível internacional pode ajudar a serem conseguidas mais dívidas para os pobres que as terão de pagar!

António da Cunha Duarte Justo

. António da Cunha Duarte Justo, Correspondente do Jornal de Oleiros na Alemanha

Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=7366

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009. Lutamos arduamente pela defesa do interior, o apoio às famílias e a inclusão social. Batemo-nos pela liberdade e independência face a qualquer poder. Somos senhores da nossa opinião.
Esta entrada foi publicada em Forças Armadas, Opinião, Política Internacional. ligação permanente.