Fôlego: Artes para aproximar e respirar melhores tempos em

Artes para aproximar e respirar melhores tempos em

Mação, Sertã, Oleiros, Proença-a-Nova e Vila de Rei 

O FÔLEGO – programa de intervenção artística movido pelo combate às alterações climáticas em Mação, Sertã, Oleiros, Proença-a-Nova e Vila de Rei – arranca no Centro de Portugal.

O nome FÔLEGO surge da associação do território ao fogo – mas também ao ar, necessário à combustão e à vida – e o programa convida à imersão no património natural por via das artes, apelando à mobilização local, nacional e internacional pela mitigação da crise climática. O FÔLEGO atuará no território entre 2021 e o verão de 2023.

Privilegiando o envolvimento da comunidade local em torno de um futuro saudável e consciente, o FÔLEGO terá uma programação cruzada entre áreas artísticas: artes plásticas, dança, fotografia, música, novo-circo, novos media e teatro. Terá como eixo principal a arte participativa e comunitária, em relação próxima com as populações, promovendo a mobilidade de públicos e artistas locais, nacionais e internacionais.

Selecionado para financiamento no quadro EEA Grants, Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu, o projeto é promovido pela Academia de Produtores Culturais, em parceria com Mapa das Ideias, H2Dance e Heidi Ruustgard (Noruega), Universidade da Islândia, Associação Pinhal Maior e os cinco municípios – Mação, Oleiros, Proença-a-Nova, Sertã, Vila-de-Rei – atuando num esforço coordenado entre dezenas de instituições locais, nacionais e internacionais, de caráter governamental e não-governamental.

O FÔLEGO aliará as artes, a ciência e o ambiente, trabalhando a problemática do clima em várias frentes – não apenas numa abordagem conceptual e artística, mas também pela sensibilização e envolvimento da comunidade em ações concretas no sentido da mitigação e adaptação aos efeitos da crise climática.

O ARRANQUE

No terreno desde novembro 2021, o programa FÔLEGO abriu ao público geral a 27 de fevereiro, na Casa da Cultura da Sertã, com um concerto de Bruno Pernadas.

ALGUNS HIGHLIGHTS DO PROGRAMA (2022)

VILAS MUTANTES” (dança, música, comunidade)

Trabalho sobre memórias e reações ao fogo, saberes e inquietações da comunidade pela coreógrafa Alice Duarte e o músico Alexandre Moniz. A primeira paragem é em Vila de Rei, com apresentação marcada para 27 de março às 15h.

“FEST EN FEST” (comunidade)

Um “festival do futuro”, com foco nos desafios climáticos está há meses a ser preparado pela estrutura norueguesa H2Dance com alunos da Escola Secundária da Sertã e três artistas locais: Miguel Manso, Miguel Calhaz e Raquel Caetano Lopes. A apresentação, em abril, será na mítica discoteca “Big P”, na Sertã, encerrada há anos, que reabrirá portas ao Fôlego.

ICE & FIRE” (ciência, escrita, artes visuais)

Intercâmbio de residências académicas/artísticas entre a Islândia e Portugal – gelo e fogo – que culminará na elaboração de num manual de Boas Práticas para o Clima entre os dois países.

PLANTA PARTY” (música, comunidade)

Série de festas nas praias fluviais que levarão à reflorestação de áreas ardidas.

“PIGMENTOS” (street art, comunidade)

Mural de street art em cinco escolas do território Fôlego (uma por município) coordenados por Mariana Patacas (Mariana PTKS) e Filipe Granja (mymaneisnotSEM), partindo de diálogos com alunos do ensino básico e os seus professores de Ciências sobre a emergência climática.

“T5” (música)

Bandas e artistas locais são convidados a atuar nos concelhos vizinhos, no sentido de promover uma quase inexistente comunicação intermunicipal. O programa, que inclui Filarmónicas, projetos de jazz e World Music, terá uma presença forte e contínua ao longo dos dois anos.

Fernando Mota criará instrumentos musicais a partir de galhos de árvores

MIGRANTES CLIMÁTICOS”

Projeto de criação sobre as memórias das populações migrantes no local pela companhia Teatro O Bando

CAPICUA apresentará o projeto para crianças Mão Verde.

WORKSHOPS, VIDEOMAPPING, etc etc.

Programa e mais info: http://www.folego.pt/

Redes sociais: facebook.com/folegoaceso / @folegoaceso

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009. Lutamos arduamente pela defesa do interior, o apoio às famílias e a inclusão social. Batemo-nos pela liberdade e independência face a qualquer poder. Somos senhores da nossa opinião.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Oleiros com as tags , . ligação permanente.